top of page
Marcos%20Roberto3_edited.jpg

Bauru, SP - 1989

Vive e trabalha em São Paulo, SP

Natural de Bauru - SP, Marcos Roberto mudou-se para a capital em 2013 para cursar artes visuais na Faculdade Paulista de Artes (FPA).

Desde seu retorno para o interior paulista em 2017, vem utilizando como base para a elaboração de suas obras, materiais que são habitualmente descartados. Imerso no âmbito da reciclagem e valorizando os inúmeros recursos locais advindos da mesma, utiliza em suas obras o metal, papelão, madeira e concreto.

Autodeclarado artista, ativista e antirracista, tem em suas obras uma crítica política e social explícita. Sua arte incomoda, provoca e instiga, através da reflexão sobre as mazelas da sociedade e a procura pela visibilidade das minorias, como se reflete em sua série “Cotidiano”, onde usa como matéria base e como alerta, as placas de sinalização de trânsito.

obras

obras

SÉRIE: PÁGINAS PARA UM TEMPO EM BRANCO

Na série "Páginas para um tempo em branco" Marcos Roberto nos apresenta tempos de redenção, uma reconstrução do Brasil colonial para tentar dar conta das vidas invisibilizadas por uma sociedade e um passado desiguais.

“No Brasil, o futuro é duvidoso e o passado é incerto, tanto que até a autoria dessa frase é duvidosa, não achei a quem atribuir. Tenho a tese de que precisamos recontar a história do Brasil, dos apagados, esquecidos ou negligenciados ao longo do tempo. Precisamos resgatar suas histórias e reconhecer suas contribuições para construir uma narrativa mais inclusiva e precisa sobre nossa nação. A história oficial do Brasil é contada através da perspectiva dos poderosos, dos líderes políticos e das elites dominantes. Esse enfoque tende a glorificar figuras como os “governantes” e os “conquistadores”, deixando de lado a riqueza e a complexidade das experiências das pessoas comuns", diz Marcos Roberto.

MarcosRoberto_58.jpg

SÉRIE: MANIFESTAÇÃO DAS FLORES

Inspirado nas letras das canções de Geraldo Vandré e na Revolução dos Cravos (1974) em Portugal - movimento que iniciou a transição para implementação de um regime democrático no país -, esta série retrata o povo brasileiro como detentor do poder - forte, delicado e, sobretudo, inevitável como a primavera. Nas palavras do artista:

“Manifestação das flores. Assim como cantou Geraldo Vandré: ‘Ainda fazem da flor seu mais forte refrão. E acreditam nas flores vencendo o canhão’, precisamos construir um modelo de Brasil futuro, impedindo o futuro de ser parecido com o passado. Precisamos florescer a democracia com a ideia de revolução total, um projeto utópico, onde o passado não construa o futuro. O povo é o pilar, é o que mantém esse Brasil de pé. O povo é quem ordena. O povo no poder, com a força da primavera que jamais deixará de florir.”

SÉRIE: COTIDIANO

Na série Cotidiano, as placas de trânsito se estruturam a partir do mesmo princípio. Os corpos que vemos parecem flutuar, contrastando com a superfície das placas e suas orientações diretas, enfatizando a atmosfera solitária. É possível perceber que as indicações de quilometragem permitida se remetem sempre a baixas velocidades: 10km, 20km, 30km, ou mesmo PARE.

Durante o período que se mudou para São Paulo para estudar arte, Marcos morava no centro da cidade e caminhava muito pelas redondezas. Lá, além das memórias desses corpos e cenas, ficou também a percepção que as placas de trânsito sempre traziam indicações de velocidades baixas para a circulação dos carros. Essa indicação de desaceleração, se pensada para os nossos corpos, entre outras possibilidades, é quase como um lembrete para olharmos em volta e vermos o que a velocidade do fluxo urbano acaba tornando invisível.

Em obras mais recentes da série Cotidiano, outros corpos começam a povoar essas placas – não só circulares, mas também retangulares, indicando originalmente caminhos e direções pelas ruas da cidade. Eles deixam de se apresentar tão vulneráveis, para assumir uma posição de resistência e força, olhando os espectadores direto nos olhos. Diferente do que vemos nos Operários (1933) de Tarsila do Amaral (uma referência para esses trabalhos) há uma atitude ativa nessas figuras, com uma reivindicação de presença e visibilidade coletiva, com homens e mulheres colocados lado a lado. Misturados, mas individualizados.